domingo, 27 de dezembro de 2009

últimos anos

.


Até onde vai no fundo a terra do quintal?, pergunta o neto com uma das mãos ainda segurando a corda há tanto tempo firme do balaço. Explica o avô que sob a terra tem pedra e sob a pedra tem lava, que é pedra líquida e quente. Geografia, você vai aprender na escola. No futuro, o neto se lembrará da terra, da pedra, da lava, além de saber de outras coisas de carbono e cadarço amarrado; sem se lembrar especificamente daquela fala subterrânea do avô morto. Derreter uns restos de pesadelos que sobraram como pedra quente por dentro o dia todo, esvaziar os armários dos vestidos tristes que tinha a mãe. Lembrar-se-ia apenas da imagem idosa, parada perto da árvore, e de seu balanço hoje rompido, caminhando com cuidado para não tropeçar nas raízes que sobressaíam o solo e as folhas, recuando na direção do profundo.

5 comentários:

  1. Muito bonito e triste.
    Seus desnhos também me alegram muito. Este aí é bárbaro.

    ResponderExcluir
  2. Uma menina bonita, sensível e talentosa vai viver um Ano Novo muito feliz e produtivo.
    Bjo,
    Selma.

    ResponderExcluir